MOMENTOS DECISIVOS

Apresentações Impactantes: Tudo Começa Com Uma Identidade Visual Bem Definida

SOAP
1.534 views

A imagem em baixo representa um anúncio de imprensa de uma conhecida marca internacional de refrigerantes. Consegue adivinhar que marca é essa?

 

E então estas duas imagens? São igualmente anúncios de imprensa de uma marca internacional, mas desta vez uma marca de roupa. Arrisca uma resposta?

 Se respondeu Coca-Cola e Benetton, parabéns, acertou.

E sabe porque é que acertou? Nós dizemos-lhe: porque foi capaz de reconhecer nestes anúncios alguns dos traços e elementos que fazem parte do ADN visual destas marcas, que fazem parte da sua identidade. No caso da Coca-Cola a cor vermelha e a imagem característica do Pai Natal. No da Benetton, a irreverência e pujança de cores.

Tal como num anúncio, quando assistimos a uma apresentação temos de ser capazes de reconhecer a identidade visual da marca, empresa ou projecto em causa, os traços e valores que o caracterizam.

E, tal como num anúncio, se queremos cativar a nossa audiência, temos igualmente de conseguir trazer algo de novo para essa apresentação e identidade. Algo que nos ajude a passar a mensagem que queremos, e que seja coerente com ela, mas que tenha impacto e seja memorável.

Mas memorável por bons motivos, pelo que tão importante como saber que elementos e referências da marca devemos utilizar, é importante saber o que não utilizar. Por exemplo, numa apresentação para a coca-cola usar como cor de fundo predominante o azul, seria perigoso, não só porque azul é a cor da Pepsi – o seu principal concorrente, mas porque não usar o vermelho coca-cola seria um erro no sentido em que ele é muito forte e facilmente reconhecível pela maioria das pessoas.

Para conseguirmos acertar na escolha destes elementos, é necessário fazer um estudo aprofundado e adequado da identidade da empresa. Conhecê-la e percebê-la a fundo. Como? Analisando coisas tão tangíveis e palpáveis como: o logo da empresa ou marca, o seu manual de marca, o seu site, os materiais promocionais ou as suas campanhas publicitárias; ou analisando elementos não tão tangíveis mas fundamentais para conseguirmos verdadeiramente surpreender a nossa audiência: os seus valores, a sua missão, e sobretudo os objectivos da apresentação em causa.

Quanto melhores forem as referências a que tivermos acesso, maior será a coerência entre a identidade da marca ou empresa e a identidade visual criada para a apresentação – duas coisas que importa saber distinguir, visto que são distintas entre si: a segunda é inspirada na primeira e não forçosamente igual. De tal forma que dependendo da marca, produto e tema abordado, pode haver, numa mesma empresa, apresentações com identidades visuais totalmente diferentes entre si.

Um dos principais desafios para sermos bem sucedidos na construção de uma apresentação impactante é mesmo esse: conseguirmos manter a coerência visual. Coerência visual entre identidade da marca e identidade da apresentação e coerência visual entre os vários slides que compõem a apresentação. Porque ao contrário de um anúncio ou outdoor onde temos apenas um momento isolado, uma apresentação pode chegar a ter 20, 50 ou 100 slides. E esses slides, por mais particularidades que tenham, devem seguir os mesmos padrões: nas fontes utilizadas, nas formas gráficas que elegemos, e nas cores e estilos utilizados. Pois em todos eles o público tem de conseguir reter simultaneamente a essência da marca e a essência da história que ali estiver a ser contada. É a existência, ou não, dessa homogeneidade que vai permitir que os slides tenham um ADN visual que os caracterize como um conjunto. E tal,  só é possível,  se existir coerência visual.

A título de exemplo e para concretizarmos o que foi dito em cima, deixamos aqui dois ou três slides de uma apresentação que a SOAP fez para a Coca-Cola em Espanha. Nela é possível reconhecer o ADN da marca Coca-Cola e perceber claramente a mensagem que se queria vincular: Coca-Cola é igual a felicidade  por isso, com ou sem crise, não é possível conceber a existência de um mundo sem coca-cola.